Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

areaardida

areaardida

A direita sacristia

A direita, aqui, é bronca e tresanda a sacristia. Gostava muito da Outra Senhora, de quem tem saudades, mas, circunstâncias do tempo obligent, travestiu-se de democrática. Toma a cor que lhe convém camuflada na árvore da democracia onde se alimenta da incauta bicharada que, na boa-fé, a frequenta. Podia chamar-lhe, por isso, também, direita camaleão. Mas prefiro sacristia. Porquê? Porque é vê-la na missa das seis, a comungar, a bocejar, a olhar discretamente para o relógio quando o senhor cónego se alonga na peroração da homilia; é vê-la na procissão do Corpo de Deus, ao pálio, enfatuada e aprumada, saudosa do tempo em que a cidade inteira parava para ver; é vê-la nas oficinas da oração, na batota da Senhora da Serra, na Via-Sacra da Semana Santa, no comício de apoio ao Candidato, onde, às vezes, levada por entusiasmo genuíno, se despe da pose democrática e deixa ver, despudoradamente, digamos assim, as partes pudendas que mostram, inequivocamente, o seu verdadeiro género.

Cheira intensamente a sebo de vela e discretamente a perfume barato. Tem um fraco por batinas. Reza antes e depois do, infelizmente biologicamente necessário e inelutável, acto sexual com a esposa legítima. Com a outra - que tem, ou procura sofregamente por razões óbvias, às escondidas, pensa, de Deus - é um animal feroz, desbragado e fetichista até dizer chega. Olha a liberdade dos outros, sobretudo dos jovens, com raiva de frustrado; “revolta-se” com a “pouca vergonha a que isto chegou”, mas, às escondidas, vê os canais X do cabo e navega gulosamente pelos bordéis cibernéticos da net. Cheira a mofo. Tresanda a naftalina. Fede a vício privado e a virtude pública.

Lê o Mensageiro, o Diabo e a Dama das Camélias. Nem tão mal. Sempre é ler. Não tem um autor moderno. A mais culta já tentou Chardin, mas desistiu porque não entende. Confunde Marx com o diabo, que nunca viu, nem a um nem a outro: ambos são mitologia da alma. Ainda ouve a Amália dos caracolitos e espanholitos, adora Tony Carreira e o padre Borga. Ainda se revê nos “grandes feitos” da raça, na gesta lusitana (a que lê continua a eliminar dos Lusíadas o canto X). Abomina o Marquês, a I República, o 25 de Abril. Abomina, no fundo, a liberdade, sobretudo a dos outros. Acendia as fogueiras purificadoras não fora, apesar de tudo, o Estado de Direito.

É muito? É pouco. Sociologicamente daria um tratado.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Favoritos

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub