Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

areaardida

areaardida

o centrão nem é carne nem é peixe, antes pelo contrário

O centrão, Aqui como no resto do país, é a epifania da mediocridade. Era impossível a alguém juntar tanta em tão pouco espaço. Este é um dos milagres maiores desta coisa a que, não sem alguma ironia, se vai chamando democracia. Mediocridade! Ninguém imaginava haver tanta, aos montões, às pazadas, às carradas. É uma praga maior do que a grama, as silvas ou o escaravelho da batata. É omnipresente e omnipotente. Inça como as pragas malfazejas, espalha-se como as notícias más, desenvolve-se como os vírus malsãos. Num instante toma o corpo social, insidiosamente pela aparência democrática do voto, para o devorar protegida pelo escudo das instituições e da lei. É fina, mais que inteligente. É guicha, mais que competente. É vivideira, mais que produtiva. É estúpida. Usa meia branca, sacola e old spice. É medíocre.

Ocupa o espaço público concertadamente, por um mecanismo orgânico de adaptação e selecção darwinianas que visa a sua preservação e o domínio do seu biosistema. Divergiu em duas famílias da mesma espécie. Aparentemente digladiam-se, mas ambas sabem que a sua sobrevivência depende do funcionamento alternado do sistema: ora agora mando eu, ora agora mandas tu.

Senão veja-se o caso de Aqui. Já todos sabemos, em ano de alternância, quem vai para os cargos. Se ganha a família, digamos assim, A, Fulano vai para aqui, Sicrano vai para ali, Beltrano vai para além; se ganha a família B, Arrebunhano vai para além, Contralbano vai para ali, Santulhano vem para aqui. Sem risco de nos enganarmos. Quem paga as favas, sabemo-lo todos, é o Aldeano. Ou, no dizer certeiro de Mário de Carvalho, o Manuel Germano (já lá vamos...).

Já se disse que é burro. Apesar do mestrado e (até!!!) do doutoramento. Cita lugares comuns que atribui, sabe-se lá porquê, a Churchil (como disse Churchil... e nunca ninguém que leu Churchil lá viu tal coisa) ou ao Outro. De Wilde e de Shaw, onde poderia ir largamente munir-se de ditos, nunca ouviu falar. No anedotário substituiu Bocage pelo “português”, adora o non-sense básico do “alentejano”. É básico. Não sai daquilo. Anquilosou, estagnou, petrificou. A verdade, é que não dá para mais. Sabe distinguir concelho de conselho, mas diz que foi ele que espoletou a situação. Pede  desculpa pelo pleonasmo - a que também chama, aliás certeiramente, redundância -  mesmo quando o não há. Aprecia o carrascão, e frio. O bom restaurante é onde “encha os focinhos de chicha”. Arrota. Assoa-se ruidosamente. Tem gota. Pertence à direcção de uma instituição sem fins lucrativos.

(Pode continuar, que isto é um manancial inesgotável).

Quanto a Manuel Germano, Mário de Carvalho o disse e muitíssimo bem, é com o que o tal confunde Género Humano.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Favoritos

Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2013
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub